Política e posição fetal

 DREW WESTEN , DW, é consultor de psicologia social. Sessenta dias antes das eleições, escreveu longo artigo para Obama. O foco de DW é nunca baixar a guarda nem deixar o outro lado controlar a mensagem e as narrativas da campanha. Ele critica a estratégia usual do Partido Democrata (PD) de não ter posição firme.

"Se Obama não pode dizer a verdade sobre o que há de errado com o adversário, não está falando honestamente ao eleitor, independentemente de sua motivação", afirma. Quando se tem uma escolha entre opções, diz DW, décadas de pesquisas em psicologia social mostram dois princípios da persuasão: chegar à frente para contar o seu lado da história e preparar-se para atacar o que o outro deve dizer. Lista as dez maneiras de evitar que o PD tenha mais um final triste. 1. Na política não há criacionismo: use o conhecimento acumulado em comunicação de massa. O PD acha que responder a um ataque é realçar o ataque. Deve atentar à psicologia social sobre o que funciona ou não.
2. Pare de jogar damas se o outro lado joga xadrez. Os republicanos pensam seis lances à frente. O PD, um de cada vez. 3. Não confundir mensagens positivas/negativas com éticas/antiéticas: "Eleitores votam com suas emoções, e se você se recusa a falar verdades negativas sobre o seu oponente, está enganando o eleitorado e pondo em risco sua eleição.

Emoções positivas e negativas estão independentes dentro do cérebro. Se não bater logo, você cederá metade do cérebro. E não se ganha eleições com meio cérebro". 4. Se os ataques de seu adversário refletem um problema de caráter, ataque o caráter dele. 5. Focalize em "nós" se o adversário quer falar sobre "eles". Não deixe dividirem os valores entre "nós e eles". 6. Conte três histórias sobre o adversário, nem mais, nem menos.

7. Fortaleça a mensagem de mudança com dois ou três assuntos de impacto. Acredite nas campanhas políticas emocionalmente evocativas, embasadas em valores. 8. Prepare-se. Seu publicitário pode não servir para os debates. 9. Dirija-se ao olho do furacão, ao centro da tempestade. Não fuja. 10. A equipe de Obama, e ele mesmo, precisam olhar para dentro.
Por anos, o PD fugiu da controvérsia, abandonou o conflito, preocupado com temas "radioativos". Fale claramente sobre os valores que o levaram a tomar a posição que tomou. DW lembra que, de uma perspectiva psicológica, poucas ações são determinadas por um único motivo. O PD sempre ofereceu razões elevadas para não responder atacando. Suas razões vêm com evasivas: "Projetam covardia". E finaliza dizendo que, na política, é possível tomar qualquer posição, exceto uma posição fetal.