09 de abril de 2014

OS GOVERNOS E AS ELEIÇÕES NO RIO: INFLUÊNCIA EM 2014! CAPÍTULO 2: AS PRESIDENCIAIS DE 2006 E 2010 NO RIO E 2014!

1. Nas eleições presidenciais de 2006, no Estado do Rio, Lula obteve 44% dos votos dos eleitores que foram às urnas. Alckmin 26%. Heloisa Helena 15% e os demais 5%. Brancos e Nulos 10%. / Nas eleições presidenciais de 2010, Dilma chegou a 39%, Serra a 20%, Marina a 28% e os demais a 2%. Brancos e Nulos 11%. A soma de Alckmin, Heloisa Helena e os demais chegou a 45%, um ponto a mais que Lula. A soma de Serra, Marina e os demais chegou a 50%, 11 pontos a mais que Dilma.

2. Em 2006, Alckmin venceu em 19 municípios dos 91, sendo os mais importantes Friburgo, Petrópolis e Teresópolis (Região Serrana), com mais ou menos 48% dos votos. Entre os grandes municípios se destacou com uns 40% dos votos em Resende, Cabo Frio e Itaperuna. No Rio, capital, Lula teve 43%, Alckmin 30% e Heloisa 20%. Em Niterói, Lula teve 39% dos votos, Alckmin 31% e Heloisa 20%. Na Baixada Fluminense e São Gonçalo, Lula venceu com uns 60% dos votos. No Sul, Lula teve 60% dos votos, exceção de Resende (Academia Militar), onde praticamente empatou com Alckmin. Heloisa manteve sua média de 15% na Baixada e Região dos Lagos.

3. Em 2010 Serra venceu em 21 municípios, basicamente os mesmos em que Alckmin venceu, outra vez com destaque para a Região Serrana, com média de 40% dos votos. No Rio-Capital, venceu Dilma com 43% dos votos, acima de sua média no Estado, seguida de Marina com 32% e Serra com 23%. Em Niterói, Marina venceu com 37% dos votos, seguida de Dilma com 35% e Serra com 24%. Outra vez Dilma venceu com destaque na Baixada e em São Gonçalo, agora com uma média um pouco menor que Lula, mais perto dos 55%. Isso ocorreu pela surpreendente votação de Marina nessas regiões onde, no total, passou dos 33%. Isso foi atribuído ao voto evangélico na fase final da eleição.

4. Marina venceu em oito municípios, com destaque para Niterói 37%, e Volta Redonda 40% e como Heloisa na Região dos Lagos, onde ficou no total próxima dos 40%.

5. Extrapolando para 2014, Eduardo Campos não reproduzirá a performance de Marina, pois faltam três fatores: o voto evangélico, a polêmica dos royalties do petróleo em que liderou contra a tese do Rio e a questão ambiental, que explica a Região dos Lagos. Aécio certamente vai alcançar uma votação superior a de Alckmin que, com os 26%, foi superior aos 20% de Serra. Em primeiro lugar porque Marina não transferirá os votos que conseguiu por seu perfil. Em segundo lugar porque Minas Gerais tem grande interação com o Norte do Estado e o corredor Juiz de Fora-Petrópolis. Da mesma forma, na capital e em Niterói tende a ir além dos 30% de Alckmin pelo seu perfil e inclusão na capital.

6. O ponto central para Dilma e o X da questão para Aécio e Campos será a Baixada Fluminense e São Gonçalo, onde Lula abriu, Dilma abriu e as razões do voto em Marina nessa região não convergem com o perfil de Aécio. Essa região tem pouco mais de 30% do eleitorado, aproximando-se da Capital, que tem 42%.

7. Em base as eleições de 2006 e 2010, Campos vai colar em Marina e tentar avançar. A transferência de votos sempre há, mas no caso tende a ser pequena pela diferença de perfis. E mais grave: Campos ainda vai enfrentar no Rio a questão dos royalties do petróleo, que liderou contra o Rio, decisiva para o Norte e a Região dos Lagos. Digamos que repita Heloisa Helena com 15%.

8. Em base as eleições de 2006 e 2010, Aécio empata na região capitalina (Rio e Niterói), que tem 46% dos eleitores. Perde na periferia metropolitana. Ganha no Interior com exceção do Sul Fluminense. Ficaria com 30%, ou mais.

9. Dilma, que em 2010 teve 39%, cairá para 35%, ou menos, ficando a distância de empate técnico de Aécio. Randolfe deve levar algum resíduo do voto de protesto, chegando a 5% ou algo mais. Esse algo mais tende a tirar de Dilma e da memória de Marina ambientalista.  Brancos e Nulos tendem a subir para uns 15%.

* * *

REUNIÃO DA UNIÃO DEMOCRATA INTERNACIONAL (UDI) DIAS 9/10/11 DE ABRIL!

1. A UDI é uma união internacional de partidos políticos liderada pelo Partido Conservador do Reino Unido e Republicano dos EUA. A reunião se realiza em Madrid, tendo o PP da Espanha como anfitrião. Conta com vários partidos também filiados a IDC (Internacional Democrata de Centro), como o CDU da Alemanha e o PP da Espanha, assim como o Democratas do Brasil.

2. Discursos de abertura / As palestras seguidas de debates serão: A agenda do crescimento e do emprego / A região do Mediterrâneo: desafios e oportunidades / O “socialismo do século 21″: desafios da centro-direita com foco na Amarica Latina / Ucrânia: implicações na segurança e o caminho futuro /

3. Informes dos Partidos / Reunião do Comitê Executivo / Reunião com o primeiro-ministro da Espanha Mariano Rajoy.

4. Estarão presentes o representante do Democratas junto a UDI, ex-deputado José Carlos Aleluia, e Cesar Maia a convite, na condição de vice-presidente da UPLA (União de Partidos Latino-Americanos), acompanhando o presidente, senador Jovino Novoa do Chile.

* * *

DESAPROPRIAÇÕES PARA A MÍDIA VER! 

(Blog Urbe Carioca, 08) 1. Ao caso da Bhering e da Estudantina, mais uma desapropriação anunciada. Agora foi a vez do Bar Luiz, situado na Rua da Carioca. O decreto de declaração de utilidade pública para fins de desapropriação foi publicado no Diário Oficial do Município de 30/03/2014.

2. Um decreto de desapropriação, conforme já explicamos neste Urbe CaRioca, representa uma intenção que pode ou não ser concretizada: o Município tem cinco anos para decidir.  Lembre-se dos casos da Bhering e da Gafieira Estudantina. Das desapropriações anunciadas nada mais se ouviu falar.

3. Resta saber por que não foi anunciada também a desapropriação de A Guitarra de Prata e de tantas outras lojas tradicionais do conjunto de prédios tombados na Rua da CaRioca. Enquanto isso os ocupantes da Bhering e da Estudantina continuam no mesmo lugar e pertencendo aos mesmos donos, que não podem usufruir os imóveis devido aos decretos demagógicos.