28 de setembro de 2015

PMDB DO RIO E O APOIO COMPULSÓRIO À DILMA!

1. A imprensa tem divulgado e reiterado que o PMDB do Rio é o mais solidário à presidente Dilma.  Isso não se dá por razões programáticas ou políticas, mas por razões pragmáticas.

2. A proximidade dos governos do Rio -Estado e Capital- ao governo federal se deu intensamente com Lula e -por sucessão- com Dilma. Com S.Paulo e Minas controlados pelo PSDB, restou o Rio de Janeiro no “Triangulo das Bermudas”. Quando do acordo entre MG e RS no início do governo FHC, o Rio já havia se beneficiado. FHC autorizou antecipar R$ 9 bilhões de reais dos royalties do petróleo, valorizando o barril a 17 dólares para cálculo dos pagamentos.

3. Lula e depois Dilma assinaram vários convênios e compromissos com os governos do PMDB no Estado e na Capital.  Novos empréstimos, novas obras, novos programas… Os de menor valor e de curto prazo foram sendo realizados.  Mas aqueles de maior valor e prazo exigiam uma maturação que ia -e vai- até o segundo governo Dilma.

4. A crise fiscal exigiu do governo federal -pós-Levy- conter as transferências de recursos ou atrasar as parcelas de financiamentos. Isso teve impactos sobre as finanças estaduais e municipais do Rio.

5. Mais grave em relação ao Governo Estadual que -com a queda das receitas pela crise e do valor do barril do petróleo, a menos da metade afetando duramente os royalties- passou a conviver com um déficit primário, em 2015-2016, de mais de R$ 10 bilhões. O apoio federal é um caso de vida ou morte. Ambos buscaram recursos por uma vez em depósitos judiciais e diversos tipos de anistia e remissão. O que só vale por uma vez.

6. A Prefeitura do Rio assumiu obras em parceria com o governo federal, seja pela liberação de empréstimos seja pela participação direta. A Prefeitura projetou uma expansão de gastos -em especial de investimentos- para os últimos 2 anos de governo. As receitas não cresceram como o esperado, a troca de cerca de 20% da dívida em reais para dólares onerou o serviço da dívida, a mudança do prazo de reajuste dos contratos de 2 anos para um ano, a reativação do BDI para quase uns 20% do valor das obras, etc., transformaram o superávit em déficit. O atraso em pelo menos 3 meses do reajuste dos servidores é prova clara dos problemas enfrentados.

7. Se Dilma não atropelar Levy e garantir os recursos para seus parceiros, o ano de 2016 será crítico. Para o Estado significará o aprofundamento de sua gravíssima situação financeira. Para a Prefeitura do Rio, num ano eleitoral e ao mesmo tempo exposto pelos JJOO-2016, o crescimento desse déficit significará obras não concluídas, serviços afetados e constrangimento eleitoral.

8. Assim, ao PMDB do Rio -Estado e Prefeitura- não resta alternativa senão apoio amplo, geral e irrestrito à Dilma. Apoio a seu governo. Apoio às medidas que adote. Apoio…, a seu mandato.

                                                    * * *

RIO: CRISE DO PETRÓLEO DERRUBA INVESTIMENTOS EM PESQUISA NO FUNDÃO!

(Folha de SP, 27) 1. Um dos principais polos de pesquisa do país, tido como o “Vale do Silício” do pré-sal, o Parque Tecnológico da UFRJ, sede de grandes centros de pesquisa de multinacionais e de empresas brasileiras, está sendo duramente afetado pela crise da indústria do petróleo e cortando funcionários.

2. “Os centros de pesquisa e desenvolvimento de nossas associadas deveriam ter 400 pesquisadores estrangeiros, mas têm apenas 20 ou 30″, disse Paulo Cesar Martins, presidente da Abespetro (Associação das Empresas de Serviços de Petróleo).

* * *

ELEIÇÕES NA CATALUNHA!

Pela Independência 47% dos votos e 72 cadeiras.

Contra a Independência 51% dos votos e 63 cadeiras.

Independentistas venceram em Barcelona e perderam nas demais províncias.